As paisagenes da Lamborghini e da Ferrari vão mudar no futura. Se até hoje quando olhávamos para o portfólio delas só víamos cupês superesportivos exclusivos, falta pouco para que outras carrocerias, com forte apelo de mercado, passem a fazer parte da gama dessas marcas.

Na Lamborghini esse processo está avançado. O inédito SUV Urus está em pré-produção e deve ser apresentado oficialmente em dezembro desse ano. Mas eles não querem parar por aí não! Agora que a ordem no Grupo Volkswagen é extrair o máximo de produtividade e redução de custos com as plataformas modulares, a companhia está pensando já num quarto modelo para oferecer aos ricaços. E o candidato mais próximo de receber a luz verde é um sedã ou cupê de quatro portas, para quatro ocupantes.

Os manda-chuvas até teriam um conceito para trabalhar: o Estoque, mostrado em 2008. O que não se sabe é o nível é qual caminho seguir pra dar origem a esse carro, se vai ser a plataforma MSB (do Porsche Panamera e Bentley Continental GT) ou se vão criar uma do zero, de fibra de carbono, pra colocar esse caro acima até do Aventador, como um super cupê de quatro portas, extremo.

No caso da Ferrari, a novidade ainda vai demorar um pouco pra chegar, cerca de uns 30 meses (ou quase três anos), mas parece que o martelo já tá decidido: vai ser um SUV. Sergio Marchionne, CEO da FCA e acionista majoritário da Ferrari, falou à Bloomberg durante um encontro na Bolsa de Valores da Nova York que a fabricante de Maranello “já passou do ponto de considerar um SUV”, ou seja, já tá praticamente fechado.

Resta saber como eles vão lidar com a exclusividade da marca, porque apesar de quererem dobrar o lucro da empresa até 2022, parte fundamental do valor de mercado da Ferrari é justamente ser um privilégio de poucos ser o proprietário de um modelo dela.

E aí? O que você acha desse futuro de Lamborghini e Ferrari? Aprova SUVs e sedãs dessas marcas?