A etapa inaugural do primeiro Campeonato Brasileiro 402 metros foi um sucesso: grandes pegas e casa cheia na pista curitibana

oi dada a largada para o tão sonhado Campeonato Brasileiro de Arrancada, em pista com medida oficial de 1/4 de milha (402 m). A cerimônia de abertura contou com execução do Hino Nacional e apresentação dos pilotos. Realizada entre 16 e 18 de abril, no AIC (Autódromo Internacional de Curitiba), em Pinhais (PR), a prova foi válida também pela segunda etapa do Campeonato Paranaense 2010. Participaram 252 competidores, em 20 categorias — 14 do Brasileiro e 6 exclusivas do Paranaense.

Além de ser inédita no Brasil, a competição teve seu formato diferenciado com relação às demais promovidas no país, com sistema de largadas classificatórias no primeiro dia e, no domingo, com disputas de confronto direto para definir os campeões do final de semana. Este novo esquema foi aprovado por todos, tanto equipes como espectadores. O grande número de participantes proporcionou pegas alucinantes e o público pode interagir a cada puxada lado a lado, na fase de decisão.

Mas, com tanta novidade, os organizadores acabaram se perdendo na programação e o tempo ficou curto para concluir as disputas. Algumas puxadas da grande final deixaram de ser feitas, pois a noite chegou e se tornou perigoso acelerar no escuro. Assim, algumas categorias definiram seus campeões com base nos tempos obtidos nas fases classificatórias.

“Foi uma pena a prova terminar sem a realização de todas as puxadas das finais. Mas, realmente estava perigoso. Para a próxima etapa, os organizadores terão de rever o tempo dos intervalos, para que a prova termine mais cedo. Fui o último a acelerar e já estava bem escuro, fiz o percurso de ‘olhos vendados’, foi pura emoção”, relata o piloto Alejandro “The Flash Power” Sanchez.

Aqueles que pensaram que carro recordista não é constante e, portanto, não ganharia provas com este novo formato de eliminatórias, se enganaram! Ricardo “Kiki” de Paula, mostrou mais uma vez todo o poder de seu motor AP 8V, turbo, preparado pela equipe paulista Lelo Motorsport. Kiki entrou novamente na seleta casa dos 9 segundos e estabeleceu o novo recorde da categoria Turbo A.

O Camaro RS 69 com compressor centrífugo (FULLPOWER 82) do piloto Roderjan Busato mudou de mãos. O novo domador desta fera é o conhecido piloto Régis Ramos, que pilotava o famoso Opala laranja da Flash Preparações. Em sua primeira prova com o novo brinquedinho, Régis estabeleceu o novo recorde da categoria Extreme 10,5” e promete uma performance ainda melhor para as próximas etapas do Brasileiro.

E por falar no antigo Opala laranja da Flash, nas mãos de um novo proprietário, este incrível V8 Blower, agora preparado pela equipe R-X, fez bonito na estreia de Rafael Ribeiro. Levantando do chão a dianteira do poderoso Chevy, na largada, o piloto estampou no placar paranaense belos 8s726.

Por falar em recorde, um dos mais comemorados foi o do curitibano Guilherme Emiliano. Após um tempo afastado das pistas, o piloto retorna com nova equipe, para apavorar na categoria Traseira Turbo. A nova marca é histórica, pois Guilherme tornou-se o primeiro piloto a entrar na casa dos 9 segundos com um Opala montado. Esta façanha vinha sendo cobiçada pelos Opaleiros brasileiros há anos. A preparação do bólido recordista ainda conta com o bom e velho carburador Weber, auxiliado por seis injetores suplementares e acerto da equipe Julieta Racing.

Na Dragster Light, a briga entre os motores V8 e L6 prometia pegas de arrepiar entre o drag Corintiano de Ricardo “Pudim” Bersani e o seis cilindros de César “Xuxu” Degreas. Em uma puxada fantástica, os dois largaram lado a lado e, até os 200 metros da pista, os dois carros estavam ‘enroscados’. Mas, ao acionar o booster para estúpidos 3,8 kg de pressão de turbo, o motor de Degreas jogou uma biela para fora do bloco e Pudim continuou com força total, estampando 6s980 com uma velocidade final de 311 km/h. “Foi uma pena a bielinha ter resolvido sair para passear no meio do percurso. O carro estava perfeito, já tínhamos virado 7s3 com 2 kg de pressão. Mas, podem esperar, na próxima estarei de volta com tudo. Quero ser o primeiro piloto a entrar na casa dos 6 segundos com um motor seis cilindros”, conta Degreas.

Com essa enxurrada de marcas importantes e casa lotada, a CBA (Confederação Brasileira de Automobilismo) está empolgada com o novo campeonato. “A prova contou com inúmeras novidades, foi difícil e tivemos de improvisar algumas coisas, que precisarão ser revistas no regulamento. Foi uma prova de aprendizado com sucesso total. Gostei de ver o orgulho dos pilotos por estarem participando de um Campeonato Brasileiro de verdade. A próxima prova será realizada na pista do Velopark, em Nova Santa Rita (RS). O bicho vai pegar na segunda etapa, pois alguns carros não ficaram prontos para participar da estreia e as equipes prometem marcar presença por lá”, comemora Rogério Gregóris, presidente da Comissão Nacional de Arrancada.

Se você quer conferir de perto os grandes pegas da segunda etapa, reserve a agenda de 28 a 30 de maio.