A Audi revelou nesta semana a nova geração do A1. O hatchback ficou consideravelmente mais atraente, distanciando-se bastante do modelo anterior (algo difícil de ver marca, mesmo entre gerações diferentes). Ele agora é feito sobre a plataforma MQB A0, cresceu em comprimento e ficou um centímetro mais baixo, mantendo a largura de antes. As opções de motores variam de 95 cv a 200 cv, mas a versão esportiva S1, que não mostraram ainda, pode ter cerca de 250 cv.

Visualmente o A1 está mais quadrado, numa pegada um tanto retrô, mas a versão essa versão 35 TFSI que você vê nas fotos também tem um “quê” esportivinho, com para-choques maiores. Visto de frente, o para-choque amplia a sensação de largura do carro e casa bem com a “cara” mais invocada do A1, especialmente por conta dos vincos mais profundos do capô. Os faróis também são destaque de beleza, com assinatura de LED toda diferente dos outros modelos da marca.

Atrás o para-choque segue basicamente a mesma linha do dianteiro e as lanternas estão mais pontiagudas no meio do porta-malas. O caimento do teto ficou um pouco mais acentuado e há uma pequena saia em cada lateral do carro. As rodas de liga leve variam de 15” a 18” (mas modelos de 20” e 21” cairiam muito bem nele).

Por dentro, o design do A1 traz uma abordagem evoluída das linhas horizontais dos outros modelos da Audi. Em vez de um painel mais reto, ele é dividido em duas seções enviesadas para motorista e passageiro e o painel (que agora é digital, com tela de 10,25” em todas as versões) é cercado por duas saídas de ar verticais. No conjunto da obra, o A1 ficou com um cara mais nervosa do que simpática por fora e consideravelmente mais moderno na cabine, que conta com central multímidia MMI de 8,8” ou 10”, touchscreen. Opcionalmente, o interessado por equipar o A1 com um sistema de som da Bang&Olufsen com 11 alto-falantes.

Sob o capô, o hatch compacto vai ter motores 1.0 de três cilindros, 1.5 e 2.0, todos turbo (TFSI), que variam de 95 cv a 200 cv, trabalhando com câmbios manual ou de dupla embreagem de sete marchas (S Tronic). Audi não deu detalhes técnicos sobre cada versão ainda, mas nas mais fortes vão vir com suspensão mais esportiva, com direito a amortecedores adaptativos e pacote opcional Performance que dão direito a discos de 312 mm de freio dianteiro e 272 mm atrás.

O Audi S1 deve ser mostrado nos próximos meses e a aposta da revista Autocar é que ele vai vir com um motor de cerca de 250 cv e tração Quattro, provavelmente trabalhando com a caixa automatizada S Tronic. Com esse conjunto e os benefícios da plataforma MQB A0, bem superior à anterior, a gente pode esperar que ele diminua bem os 5,9 segundos de aceleração 0 a 100 km/h do antecessor, além de contar com uma dinâmica mais apurada pra curtir umas voltas na pista.

Ainda não há data confirmada para o novo A1 chegar no Brasil.