Diz aí se isto não é uma garagem de respeito: Ferrari Portofino, Lamborghini Aventador S, McLaren Senna e agora Lamborghini Sián. O brasileiro Henrique Grossi tem todas essas máquinas em Londres e seu mais novo brinquedo é simplesmente o exemplar número um do primeiro superesportivo híbrido desenvolvido pela marca italiana.

Apresentado no Salão de Frankfurt (Alemanha) de 2019, o Lamborghini mais potente da história terá somente 63 unidades produzidas, cada uma ao preço inicial de três milhões de libras, equivalente a R$ 22,5 milhões na conversão direta – e todas já estão reservadas. 

O Sián de Grossi é cinza com detalhes vermelhos e tem teto com fibra de carbono exposta. Ele é equipado com um propulsor 6.5 V12 a gasolina de 796 cv e outro elétrico de 48V e 34 cv, este ligado diretamente à caixa de câmbio. No total, são 830 cv de potência.

De acordo com a marca italiana, o Sián é capaz de atingir 350 km/h de velocidade máxima e vai de zero a 100 km/h em apenas 2,8 segundos. Outro dado que chama atenção está relacionado ao motor elétrico que, em vez contar com baterias convencionais, utiliza um supercapacitor para armazenar a energia dos freios regenerativos.

O visual do Sián segue o estilo clássico e invocado dos demais Lamborghini, com direito a homenagens. A tampa de vidro sobre o motor, por exemplo, foi inspirada na do clássico Countach. Baita máquina, né?