A espera foi longa, mas para quem pagou cerca de 8,8 milhões de euros (cerca de R$ 47 milhões na conversão direta) valeu a pena. Foram necessários três anos para que o primeiro, de dez proprietários, recebesse o seu Bugatti Centodieci. O modelo é super exclusivo e faz uma homenagem ao EB 110.

A versão do Hipercarro surgiu lá em 2019 quando a Bugatti completava 110 anos. O Centodieci surgiu com a inspiração de celebrar o aniversário da fabricante que utilizou o EB 110 como referência. Devido a pandemia, a construção do modelo limitado teve um atraso, mas se manteve nos planos da montadora que continuou com o desenvolvimento.

Divulgação/Bugatti

O Centodieci passou por diversos testes na pista de Nardò, na Itália, com um total de 50 mil km rodados apenas para avaliações. Além disso, a Bugatti colocou o hipercarro em túnel de vento e em condições climáticas extremas que foram desde o calor das estradas da Califórnia (EUA), até temperaturas de -20°C. De acordo com a fabricante, tudo isso foi necessário para garantir “uma experiência única de condução”.

Para relembrar o EB 110, o Centodieci recebeu para-choques esportivos e rodas com acabamento Sport Silver, faróis finos e a tradicional pintura azul que acompanha a Bugatti desde o modelo dos anos 1990. No interior, mais recordações do EB 110, dessa vez nos painéis das portas, teto, tapetes e bancos que foram revestidos em couro azul, bem como o painel central, volante e câmbio. O interior exclusivo levou cerca de 16 semanas para ser moldado.

Divulgação/Bugatti

O conjunto mecânico é um motor W16 8.0 com quatro turbos capaz de gerar 1.600 cv de potência 7.000 rpm. O Centodieci tem 100 cv a mais que o Chiron. O hipercarro acelera de 0 a 100 km/h em apenas 2,4 segundos com a velocidade máxima limitada eletronicamente em 380 km/h, com tração integral e câmbio automático de sete marchas.

Esse foi só o primeiro Centodieci a ser pronto e entregue. Vale lembrar que ainda existem outros 9 exemplares que já estão reservados. A previsão é que até o final deste ano os modelos estejam na mão de seus novos proprietários. Segundo alguns rumores, um dos donos desse raro hipercarro seria o Cristiano Ronaldo, cliente e um dos embaixadores da Bugatti.