Ótimo momento para falarmos sobre o Renegade. Na próxima semana, a Jeep lançará no Brasil a linha reestilizada do SUV, com leves alterações visuais do lado de fora e novos recursos, como faróis de led e nova central multimídia. A chegada às lojas deve ocorrer em novembro. Então, surge a grande dúvida: vale comprar o modelo atual?

Se você conseguir bons descontos, vale sim, afinal, o facelift não virá acompanhado (infelizmente) de modificações na parte mecânica. Mesmo assim, é importante conhecer os motivos para comprar e para não comprar o Renegade.

Tomaremos como base a versão topo de linha com motor flex. Batizada de Limited, tem preço sugerido de R$ 96.490 e vem equipada com motor 1.8 bicombustível de até 139 cv e 19,3 kgfm, combinado com uma transmissão automática de seis velocidades. Trata-se do mesmo conjunto utilizado por três carros da Fiat: Argo, Cronos e Toro.

Acerto de suspensões, estabilidade, itens de série, espaço interno, nível de acabamento e design estão na lista de pontos fortes do SUV compacto, que mesmo com três anos de vida ainda chama bastante atenção por onde passa.

Ao contrário de seus adversários, o Jeep conta com suspensões independentes na dianteira e na traseira, o que o torna muito estável em curvas, mas sem comprometer o conforto dos ocupantes. O Renegade, aliás, tem um rodar bastante macio e também satisfaz o motorista com uma bela ergonomia. Os bancos encaixam bem as costas e os ajustes de profundidade e altura da coluna de direção auxiliam a encontrar a melhor posição de dirigir.

Recheada, a lista de equipamentos de série do Renegade Limited traz acendimento automático dos faróis, piloto automático e limitador de velocidade, ar-condicionado de duas zonas, bancos de couro, faróis de xenônio, chave presencial, sensor e câmera de ré, rodas de liga leve de 18 polegadas, duas entradas USB, sistema start-stop, botão de partida do motor, sensor de chuva, rebatimento elétrico dos retrovisores, DRL, controle de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa, freio de mão eletrônico e central multimídia com tela sensível ao toque.

O espaço interno é satisfatório para acomodar quatro adultos de até 1,80 metro com conforto. Se o motorista e o passageiro da frente forem mais altos, quem viaja atrás sofrerá um pouco com a área limitada para os joelhos

E por que não comprar o Renegade? Desse lado da balança, estão o desempenho comedido, o elevado consumo de combustível, a altura da carroceria em relação ao solo (pois é, a versão flex raspa fácil em valetas e em lombadas), o pequeno porta-malas de 320 litros, o isolamento acústico da cabine e a central multimídia simples, que não possibilita o espelhamento de smartphones. E aí, compraria um Renegade. E quem tem o SUV, curte o modelo? Deixe sua opinião nos comentários.

FICHA TÉCNICA

Motor: 1.8, 16V, flex

Potência: 139 cv a 5.750 rpm

Torque: 19,3 kgfm a 3.750 rpm

Câmbio: Automático, 6 marchas

Tração: dianteira

Direção: elétrica

Porta-malas: 320 litros

Entre-eixos: 2,57 metros

Peso: 1.469 kg

Tanque: 60 litros

Distância do solo: 20,9 cm

Consumo Inmetro:

– 6,5 km/l (cid.) e 7,6 km/l (est.) – etanol

– 9,5 km/l (cid.) e 10,9 km/l (est.) – gasolina