A notícia de que a Toyota lançará neste ano o primeiro motor híbrido flex do mundo é uma das muitas ações desenvolvidas para cumprir uma missão decretada há quatro anos pelo próprio fabricante: o Desafio Ambiental Global 2050.

Esse projeto visa neutralizar a emissão de dióxido de carbono (CO2) em novos veículos, no ciclo de vida dos produtos e nas unidades industriais da marca em todo o planeta. A ação também tem como objetivo diminuir e otimizar o consumo de água, incentivar a reciclagem e estabelecer uma sociedade que esteja em harmonia e preserve a natureza.

A reutilização da água da chuva e redução dos resíduos gerados em suas fábricas estão entre as práticas adotadas para alcançar o compromisso até a metade do século, assim como a compra de energia gerada por fontes renováveis e o investimento em tecnologias limpas para toda a gama de produtos Toyota. Esse empenho foi inclusive reforçado por Steve St. Angelo, CEO da Toyota para América Latina e Caribe, no Salão de Detroit, no início deste ano. Segundo ele, até 2025 todos os modelos da linha Toyota no mundo estarão disponíveis como veículos eletrificados ou terão a opção de eletrificação.

Por meio da Fundação Toyota do Brasil, criada em 2009, a marca realiza também projetos de responsabilidade social, preservação ambiental e formação de cidadãos. A fundação patrocina, por exemplo, o Projeto Toyota APA Costa dos Corais, visando a preservação dos recifes de corais e ecossistemas associados ao peixe-boi marinho em uma área de 406 mil hectares nos estados de Alagoas e Pernambuco.

No Pantanal sul-mato-grossense, o apoio de quase três décadas ao Projeto Arara Azul nas atividades de proteção e monitoramento da espécie retirou, em 2014, a ave da Lista de Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção. A entidade promove ainda o projeto Águas da Mantiqueira, iniciativa de conservação da biodiversidade em municípios da Serra da Mantiqueira, no interior do Estado de São Paulo.

Localmente, a entidade agrega as ações sociais implantadas e mantidas nas comunidades onde a empresa possui unidades, como Indaiatuba (SP), Guaíba (RS), Porto Feliz (SP), Sorocaba (SP) e São Bernardo do Campo (SP). As iniciativas compreendem as áreas de educação, meio ambiente e cultura.

Resultados

Uma prova de que as práticas de sustentabilidade estão surtindo efeito foi vista no anúncio feito pela consultoria Jato no fim de 2018, elegendo a Toyota como a empresa automotiva que fabrica os automóveis que menos emitem dióxido de carbono na atmosfera.

Segundo levantamento feito pela empresa que atua na Europa, a marca foi uma das únicas que conseguiu reduzir os níveis de emissão média em 2017, alcançando uma queda de 2,7% em comparação com 2016 e atingindo 101,2 gramas. A pesquisa considerou 20 montadoras que atuam no continente europeu.

Outro registro de que a Toyota está cada vez mais uma eco-company é visto no próprio Corolla. O sedã mais vendido do Brasil tem um projeto 100% adaptado para a reciclagem, que facilita a destinação de peças e componentes ao fim do ciclo de vida. O painel central, por exemplo, é feito com Polímero Toyota Super Olefina, material 100% reciclável feito pela empresa. Para pneus e baterias, há um programa com distribuidores para viabilizar a logística de reciclagem.

Em relação às tecnologias limpas, vale lembrar que a Toyota investe em veículos híbridos há mais de 20 anos, com o lançamento do Prius em 1997. De lá para cá, o fabricante comercializou mais de 11 milhões de carros híbridos pelo mundo. Imagina o que virá por aí até 2050!