Assim como já aconteceu com Volkswagen Santana e Ford Escort, mais um nome nostálgico para nós, brasileiros, volta a ser comercializado na China. A nova geração do Chevrolet Monza chega às lojas do país asiático com preços entre R$ 51 mil e R$ 68 mil na conversão direta, sem impostos. Como comparação, o valor inicial é um pouco maior que o do nosso Prisma Joy, que parte de R$ 49.590.

Na China, o novo Monza será posicionado abaixo do Cruze. Construído sobre a plataforma VSS-F (sigla para Vehicle Strategy Set), o sedã tem 4,63 metros de comprimento, 1,79 metro de largura, 1,48 metro de altura e 2,64 metros de distância entre-eixos.

Haverá duas opções de motor turbo para o Monza: 1.0 tricilíndrico de 125 cv e 17,3 kgfm de torque e 1.3 de 163 cv e 23,4 kgfm. O câmbio pode ser manual ou automático de dupla embreagem, ambos de seis marchas. Nas versões mais caras e com apelo visual esportivo, o modelo trará rodas de 17 polegadas, luzes diurnas de led, quadro de instrumentos digital, ar-condicionado automático, central multimídia com tela de oito polegadas e bancos de couro.

Alguma chance de termos o novo Monza no Brasil? Infelizmente não. Um dos motivos é a falta de espaço na gama, que já comporta três sedãs: Prisma, Cobalt e Cruze. O Monza, aliás, é maior que o Cobalt e um pouco menor que o Cruze. Em preço, portanto, certamente ficaria entre eles. Outra razão para a não vinda do Monza ao Brasil é o interesse do consumidor cada vez maior por SUVs. Monza por aqui, atualmente, só na saudade.