A primeira motocicleta movida a hidrogênio está prestes a surgir. A startup francesa Mob-ion, fundada em 2016 com foco na mobilidade elétrica, fez uma parceria com a desenvolvedora Pragma Industries para juntas criarem a Scooter AM1 que já está em fase final de desenvolvimento e deve ser lançada oficialmente nos próximos meses. 

Tudo começou quando a Mob-ion decidiu pegar o modelo AM1, que já conta com uma versão elétrica vendida na europa, para criar outra versão, mas movido a hidrogênio. A Pragma Industries já trabalhava com a construção de bicicletas eletro-assistidas que utilizavam pequenas células de combustível. Foi aí que as duas empresas utilizaram seus conhecimentos para a construção da nova scooter. 

A fabricante vai fornecer quatro anos de garantia. Vale lembrar que a infraestrutura para veículos movidos a hidrogênio na europa é limitada. A AM1 terá duas opções, começando pela L1e que vai ser equivalente a uma scooter de 50 cc, enquanto a L3e será uma moto com aproximadamente 125 cc.

Cartucho de célula de hidrogênio da AM1 – Divulgação/Mob-ion

O hidrogênio utilizado para mover a motocicleta vai estar armazenado em pequenos cartuchos do tamanho de uma lata de refrigerante. A principal vantagem é que a scooter não emite gases tóxicos na atmosfera, apenas água e vapor saem pelo sistema de escapamento. Além disso, a recarga pode ser feita de forma convencional e rápida. 

No centro do assoalho da AM1, fica a estação que efetua a reação química para gerar o movimento da scooter. Tudo começa quando o veículo faz a captação de oxigênio do ambiente e direciona para a estação junto do hidrogênio. A ação da célula-combustível divide o hidrogênio em duas moléculas que irão gerar a eletricidade. A molécula de hidrogênio se une ao oxigênio formando água (líquida ou vaporizada). A energia formada pela reação é levada para um conversor que vai fazer o motor elétrico funcionar. 

O veículo Toyota Mirai utiliza um sistema parecido com o da scooter. Porém, como já havíamos comentado antes, ainda é muito raro postos que oferecem hidrogênio na bomba, inclusive em países desenvolvidos. A tecnologia é favorável à preservação do meio ambiente, e inclusive mais sustentável que modelos elétricos. 

Divulgação/Mob-ion