Não, não é a nova geração do Volkswagen Golf. A versão híbrida do tipo plug-in que começa a ser vendida no Brasil ainda é da linha mk7 e vai custar R$ 199.990. Importada da Alemanha, terá um lote de 100 unidades, todas na cor azul Atlantic. As vendas serão feitas em apenas três concessionárias: Caraigá (São Paulo), Brasal (Brasília) e Servopa (Curitiba).

Equipado com motor 1.4 turbo à gasolina de 150 cv e outro elétrico de 102 cv, o Golf GTE tem potência combinada de 204 cv e torque máximo de 35,7 kgfm – o mesmo do GTI, como comparação. O câmbio é de dupla embreagem e seis marchas e a tração, dianteira. 

A autonomia do hatch médio é de 939 km, de acordo com a Volswagen, e a aceleração de zero a 100 km/h é executada em 7,6 segundos. Até 130 km/h, é possível rodar somente com o propulsor elétrico, tendo nessa condição uma vida útil da bateria para 50 km. A recarga pode ser feita em tomada comum com adaptador, num período de três horas e 45 minutos. Com um wallbox de 2,7 kW, o tempo diminui para duas horas e 15 minutos.

Bem equipado, o Golf GTE traz itens como quadro de instrumentos digital, piloto automático adaptativo, sete airbags, teto solar, sensores de estacionamento, leds de iluminação diurna, controles de tração e estabilidade, além de central multimídia com tela de 9,2 polegadas sensível ao toque. Pela proposta híbrida, as rodas de liga leve são de 16”.

Além do Golf GTE, a Volkswagen lançou mais dois veículos elétricos: um patinete de R$ 3.399, que pode rodar 30 km a uma velocidade de até 25 km/h, e uma bicicleta de R$ 11.499, com autonomia de 40 km. E o Golf GTE de nova geração, vale a pena esperar por ele? Olha, vai demorar para chegar ao país. A previsão é de que seja lançado somente em 2021.