A Volvo vem trabalhando nos últimos anos para se tornar cada vez mais uma fabricante de veículos sustentáveis e compatíveis com a preservação do meio ambiente. A divisão de carros, já está totalmente eletrificada, agora chegou a vez da Volvo Trucks iniciar uma expansão focada na descarbonização do transporte. 

Na Europa e nos Estados Unidos, a fabricante sueca oferece em seu catálogo caminhões elétricos a bateria. Muitos desses exemplares já rodam pelas estradas com os incentivos que algumas empresas de transporte recebem para trocar a sua frota. Mesmo assim, a Volvo segue em estudos para ter até o final dessa década, mais uma opção neutra em CO2, com utilitários elétricos movidos a célula de combustível a hidrogênio. 

Divulgação/Volvo Trucks

Através de um caminhão de testes, a montadora vem analisando essa solução com intuito de melhorar o transporte de longas distância, estabelecendo uma autonomia de até 1000 quilômetros ou mais. A Cellcentric, a joint venture entre o Grupo Volvo e a Daimler Truck AG, seria a responsável por fornecer as células de combustível baseadas em hidrogênio que irão movimentar os veículos rodoviários. 

De acordo com Roger Alm, presidente da Volvo Trucks: “Estamos desenvolvendo essa tecnologia há anos e é ótimo ver os primeiros veículos chegando com sucesso à pista de testes. A combinação de caminhões elétricos a bateria e caminhões elétricos a célula de combustível permitirá que nossos clientes eliminem completamente as emissões de CO2 de seus caminhões, independentemente do tipo de operação de transporte,” 

Divulgação/Volvo Trucks

Além de melhorar a autonomia, os caminhões elétricos a célula de combustível terão um tempo de reabastecimento inferior a 15 minutos, podendo ter até 300 kW de capacidade elétrica a bordo. Outro fator interessante é que são compatíveis para aplicação em composições de 65 toneladas de PBTC ou até um pouco mais. Assim como acontece com outras fabricantes, esse tipo de tecnologia ainda está em fase inicial, principalmente por fatores terceiros, quando o fornecimento em larga escala de hidrogênio “verde” é escasso. 

“Esperamos que o fornecimento de hidrogênio verde aumente significativamente durante os próximos anos, já que muitas indústrias dependerão dele para reduzir o CO2. No entanto, não podemos esperar mais para descarbonizar o transporte. Então, minha sugestão para todas as empresas que atuam no segmento é começar a jornada com os caminhões elétricos já disponíveis. Em alguns anos, os veículos a células de combustível serão então um complemento importante para rotas mais longas e transportes mais pesados”, finaliza Roger Alm.

Independente da falta de infraestrutura de abastecimento de veículos, a Volvo Trucks se demonstra otimista, e pretende se tornar pioneira no assunto em alguns anos com o lançamento de caminhões movidos a célula de combustível a hidrogênio. A Mercedes-Benz também trabalha na construção de veículos com a mesma tecnologia estudada pela fabricante sueca. Já em testes, o GenH2 Truck tem previsão de estar nas estradas oficialmente em 2027.