Conexão Brasil x Alemanha – Passat VR6 ganha preparação pesada para mais de 700 cv com equipamentos brasileiros e visual tipicamente alemão.

IMG_6497

Para qualquer cidadão normal, investir mais de R$ 30 mil em um carro de R$ 15 mil pode parecer desperdício ou insanidade. Porém, para nós, FULLPOWERmaníacos, este acontecimento é comum e sempre muito contemplado.
Assim como um culto religioso, onde os adeptos acreditam no poder sobrenatural para ter paz e felicidade, nossos carros preparados podem trazer a mesma satisfação por meio de uma simples partida de motor. “Sempre fui fã dos carros Volkswagen preparados, especialmente os equipados com o motor VR6”, conta Marcio Coelho Júnior, estudante de 29 anos que teve a oportunidade de adquirir esse Passat 1995 e não a deixou escapar. Com transmissão mecânica, o carro já era turbinado, mas havia diversos problemas mecânicos e faltavam alguns detalhes de acabamento. Nada que desanimasse o jovem paulistano. “Comprei e logo de cara resolvi desmontar tudo e enviar o carro para a preparadora paulista Motorfort”, diz Júnior.
Nas mãos do preparador Rafael Pagliuca, famoso por preparar diversos VW para provas de Arrancada — muitos deles com mais de 1.000 cavalos de potência —, anéis e bronzinas foram substituídos. O cabeçote também foi refeito e ganhou novo comando de válvulas, da fabricante alemã Schrick. A peça traz 265º e é ideal para motores turbinados como esse, que agora ostenta um potente Garrett GT4088R roletado. “Pistões e bielas já eram forjados das marcas JE Pistons e Cunningham Rods, respectivamente. Além de serem de alta qualidade, estavam em ótimo estado e o preparador optou por não substituí-los”, relembra o proprietário.

IMG_7127

Mas, nem tudo foi tão fácil quanto parece. A alegria de conseguir peças deste carro requer uma boa “garimpagem” na internet. “Precisei de uma junta do cárter e a única que consegui achar no Brasil custou 600 reais”, conta Júnior, que dá a dica: “Se não estiver com muita pressa, o mais fácil e barato é importar diretamente da Alemanha ou EUA, onde este motor é bem popular”. Para conferir a procedência da informação, basta acessar summitracing.com ou 034motorsports.com. “Esses sites são confiáveis para compras internacionais. Dá pra encontrar quase tudo para esse motor”, garante.
Após este pesado upgrade, o “Passatão” foi levado ao dinamômetro da Dynojet, onde apontou 594 cv medidos nas rodas. Se contarmos as perdas da transmissão, a potência do motor supera os 700 cavalos, com apenas 1,8 kg de pressão de turbo. “Este motor VR6 me surpreendeu. Quando montamos esse turbo, achamos que seria muito grande para o uso urbano. No entanto, o dinamômetro provou o contrário. Poderíamos até ter utilizado uma GT42R!”, revela o preparador, que manteve o câmbio original e instalou apenas uma embreagem multidisco da brasileira Displatec, a fim de suportar toda a potência e, principalmente, os 70 kgfm de torque.

IMG_7132

Assim como a embreagem, outros produtos são nacionais. O sistema de injeção, por exemplo, é controlado por uma FuelTech FT300, enquanto o etanol vem do tanque através de três bombas SPA. Já os bicos, seis no total, são importados, Siemens, e têm capacidade de 120lb/h de vazão. Com o motor funcionando, pode-se monitorar os parâmetros e garantir que tudo esta sob controle por um sistema de aquisição de dados da Innovate Motorsports.
Esteticamente, o VW é sóbrio, mas impõe respeito e chama a atenção dos mais interados. Culpa do jogo de rodas da Privat, modelo Remember, na medida 17”x8”. As belas réplicas das famosas BBS RS estão calçadas com pneus Toyo Proxes 205/40. “Ainda tenho um jogo de rodas BBS originais do VR6, mas de aro 15” com pneus Toyo R888 205/50. Essas, só monto quando disputo provas de Arrancada, esporadicamente”, diz Júnior.

IMG_7115continuar

Com tanta cavalaria, Júnior também pensou na segurança e adicionou à sua receita uma suspensão com amortecedores Coilover da Supersport. “Apesar de baixo, o carro é gostoso de andar e freia muito bem com o sistema da Powerbrakes”, afirma, reverenciando mais um produto de performance brasileiro. Quanto ficou a brincadeira? E se aparecer um comprador, qual o preço do VR6? “Nunca parei para pensar na grana investida. Mas, para me desfazer dele, a oferta tem de ser muito boa”, finaliza.

Texto: Fabio Felix Pascoal

Fotos: Paul Henri Bonneval

IMG_6448