A Volkswagen apresentou nesta semana, na Europa, a linha reestilizada do Tiguan. A atualização de meia-vida da geração lançada em 2016 inclui faróis de led à la Golf mk8, grade parecida com a do recém-lançado Nivus, repaginação da cabine – com volante, manopla de câmbio e comandos do ar digital novos – e versão R, de apelo esportivo e inédita para o modelo.

O Tiguan R terá o mesmo motor 2.0 turbo do Golf R, que conta com preparação especial para entregar 320 cv, além de tração integral com diferencial central para distribuição e vetorização eletrônicas de torque. Ele traz ainda um seletor de modo de condução com seis ajustes (Comfort, Sport, Race, Individual, Offroad e Snow), controle dinâmico de chassi, suspensões 1 cm mais baixas, rodas de 21 polegadas, logotipo R na grade e escapamento esportivo Akrapovic como item opcional.

Outra novidade para o Tiguan 2021 é a configuração híbrida do tipo plugin. Batizada de eHybrid, utiliza o mesmo conjunto motriz do novo Golf GTE: propulsor 1.4 TSI a gasolina de 150 cv e outro elétrico de 115 cv. A potência combinada é de 245 cv. De acordo com a Volks, a autonomia é de 504 km, sendo possível rodar somente no modo elétrico a velocidades de até 130 km/h, com autonomia de até 50 km.

As versões convencionais do Tiguan devem preservar os motores 1.5 ou 2.0 TSI, além das variantes turbodiesel. Isso para o mercado europeu, claro, onde o SUV médio deve chegar às lojas até o fim de setembro. A estreia no Brasil provavelmente ocorrerá no ano que vem, com possibilidade até de trazerem a configuração híbrida.