Fiat Tempra, Opel Vectra, Honda Prelude, Lamborghini Countach, Renault Clio Williams, Porsche 911 GT2… todos eles já exerceram o papel de Safety Car na Fórmula 1. Isso, claro, antes dos últimos 25 anos, em que a Mercedes-Benz dominou a função de carro madrinha da categoria máxima do automobilismo.

Mas o monopólio da marca alemã termina neste ano. A partir da temporada 2021, que se inicia no próximo dia 28 de março, no Bahrein, a Aston Martin passa a revezar o posto. E o fabricante britânico escolheu bem os seus representantes: o Vantage F1 será o carro de segurança e o DBX F1, o médico. Ambos estarão trajados com o tradicional verde britânico da Aston.

A dupla entrará na pista em 12 das 23 corridas do calendário. Nas outras 11, estarão em cena os já conhecidos AMG GT R e C63 S Estate, desta vez pintados de vermelho durante todo o campeonato – para melhorar a visibilidade nos circuitos e também por causa de um novo patrocinador da montadora. Essa cor já havia sido usada em 2020, no GP da Toscana (Itália), em homenagem aos mil Grandes Prêmios da Ferrari.

Em comum, os Safety Car e Medical Car de Aston Martin e Mercedes têm o motor 4.0 V8 biturbo produzido pela AMG, cada um com uma potência específica.  No Aston Martin Vantage, são 535 cv. No SUV DBX, 550 cv. Nos Mercedes AMG GT R e C63 S Estate, são 585 cv e 510, respectivamente.