Em nove meses de atuação no mercado brasileiro, o Toyota Yaris Sedã – tabelado entre R$ 65.290 e R$ 83.590 – tem cumprido bem a sua missão entre os sedãs premium: rivalizar os principais nomes do segmento. Em outras palavras, está encarando de frente Volkswagen Virtus e Honda City.

Neste início de ano, ele está literalmente entre os dois concorrentes no índice de emplacamentos. Até fevereiro, atingiu 3.884 vendas contra 6.697 do Virtus e 2.669 do City. Os dados são da Fenabrave, associação dos concessionários.

Que o carro da marca japonesa é bom não resta dúvidas. Mas será que o Yaris Sedã é um produto melhor que os adversários da Volks e da Honda? Para este comparativo, tomamos como base as versões que ficam logo abaixo da topo de linha de cada um dos modelos: XS 1.5 CVT do Yaris Sedã (com preço sugerido de R$ 78.490), Comfortline 1.0 TSI automática do Virtus (R$ 77.330) e EX 1.5 CVT do City (R$ 79.900).

Em termos de equipamentos, o Yaris Sedã satisfaz por trazer de série, desde a configuração de entrada, itens como volante multifuncional, computador de bordo, apoio de braço dianteiro, rodas de liga leve de 15 polegadas, ajuste de altura do banco do motorista, ajuste de altura do volante, direção elétrica, retrovisor interno fotocromático, faróis com acendimento automático, ajuste de altura e função siga-me, controles de tração e estabilidade e faróis de neblina dianteiros.

A versão XS adiciona bancos de couro, rebatimento elétrico dos retrovisores, aletas para trocas de marcha atrás do volante, couro no volante, na manopla de câmbio e nas portas, grade dianteira na cor do carro com detalhes preto brilhante e cromados, computador de bordo com tela colorida e câmera de ré, projetada na central multimídia com tela sensível ao toque de sete polegadas.

O que faz falta nesta configuração? Anote aí: ajuste de profundidade da coluna de direção (indisponível para toda a linha), sensor de ré, luz de iluminação diurna, sensor de chuva e mais de uma entrada USB – há somente uma no estreito baú porta-objetos posicionado entre os bancos da frente.

Equipado com motor 1.5 flex de até 110 cv e 14,9 kgfm, o Yaris Sedã não empolga tanto nas acelerações e retomadas de velocidade, mas também está longe de desapontar. O câmbio CVT auxilia o modelo a entregar um desempenho satisfatório, mas faz falta um botão de modo esportivo (tal como no Corolla) para embalar um pouco mais o ritmo. Em compensação, o consumo de combustível é bastante atrativo. Segundo os índices do Inmetro, o Toyota faz 8,9 km/l na cidade e 10,6 km/l na estrada quando abastecido com etanol, mas você verá no vídeo que as médias no dia a dia (mesmo com ar-condicionado ligado) são ainda melhores.

Se tivéssemos que resumir o Yaris Sedã em poucas palavras, bastaria dizer que é um carro que combina uma boa dose de conforto a um desempenho satisfatório e ótimo consumo. Mas e em relação a Virtus e City, ele é melhor? Comparado ao Honda, sim! O modelo da Toyota é mais bem equipado, tem um rodar mais agradável, melhor nível de acabamento e desempenho similar, além do preço menor.

Em relação ao Virtus, porém, o Yaris Sedã já não consegue o mesmo resultado. O rival da Volks custa menos, anda mais, é mais espaçoso e oferece opcionais não disponíveis para o Toyota, como rodas de 16 polegadas. Mas se a preferência for por conforto, então opte mesmo pelo Toyota, o mais competente nesse quesito.

FICHA TÉCNICA

Motor: 1.5, 16V, flex

Potência: 110 cv a 5.600 rpm

Torque: 14,9 kgfm a 4.000 rpm

Câmbio: CVT, 7 marchas virtuais

Tração: dianteira

Direção: elétrica

Porta-malas: 473 litros

Entre-eixos: 2,55 metros

Peso: 1.130 kg

Tanque: 45 litros