Conhecemos o Volkswagen Nivus Highline! Fomos até a fábrica da marca, em São Bernardo do Campo (SP), para ver de perto a versão topo de linha do SUV cupê – também conhecido como SUV do Polo – e mostrar para vocês todos os detalhes (tudo mesmo) do futuro rival de modelos como Chevrolet Tracker, Jeep Renegade, Caoa Chery Tiggo 5X, Nissan Kicks e VW T-Cross.

Projeto global da VW desenvolvido no Brasil, o Nivus conta com um design chamativo, que foge daquela ideia de que todo Volkswagen tem a mesma cara. Na dianteira, há um conjunto óptico composto por faróis de led e luz de iluminação diurna com assinatura exclusiva, além da grade do tipo colmeia com detalhes prata fosco. As rodas de liga leve são de 17 polegadas e, na traseira, as lanternas de led se estendem pela tampa do porta-malas, criando um estilo muito elegante.

Por dentro, a cabine é quase igual à de Polo, Virtus e T-Cross. A diferença fica por conta do novo volante (herdado da oitava geração do Golf) e da nova central multimídia de 10,1 polegadas. Batizada de VW Play, ela estreia no Nivus e traz funções inéditas no segmento, como modo valet, que limita algumas funções do carro quando entregue a um manobrista, por exemplo. Ela também possibilita fazer reserva de serviços da Estapar, pedir socorro da Porto Seguro ou até comida pelo app do iFood.

De acordo com a Volkswagen, o Nivus vai se posicionar como uma opção de entrada para os SUVs do mercado brasileiro e, na versão mais cara, sua tabela ficará um pouco acima do segmento premium dos hatchs e sedãs compactos. Em números, falamos de valores estimados entre R$ 80 mil e R$ 100 mil.

Como já sabíamos, o Nivus não tem opção de motor 1.4 TSI, como acontece com o T-Cross, nem câmbio manual. Todas as versões utilizam o propulsor 1.0 TSI tricilíndrico flex de até 128 cv e 20,4 kgfm de torque, combinado com a transmissão automática de seis marchas e tração dianteira.

Comparado ao T-Cross, o Nivus é maior (do lado de fora e no porta-malas). Ele tem 4,26 metros de comprimento, 6,7 cm a mais que o irmão SUV. Seu porta-malas conta com 415 litros contra 373 l do rival caseiro. Entre as tecnologias, destaque para o controlador de velocidade adaptativo (ACC) e para o sistema de alerta de colisão frontal com frenagem automática de emergência. Esses recursos, aliás, não são disponibilizados atualmente para o T-Cross.

Ficha Técnica

Motor: 1.0, 12V, turbo, flex

Potência: 128 cv a 5.500 rpm

Torque: 20,4 kgfm a 2.000 rpm

Câmbio: automático, 6 marchas

Tração: Dianteira

Direção: elétrica

Porta-malas: 415 litros

Entre-eixos: 2,56 metros

Vão livre do solo: 17,6 centímetros

Peso: 1.199 kg

Tanque: 52 litros

Rodas: 205/55 R17