Acabou a Era do Viper. O carro icônico do final dos anos 1990, estrela dos primeiros Gran Turismo da era moderna dos consoles de video game, a besta quase impossível de ser domada de tão arisco o seu comportamento, chegou ao seu fim nesta semana.

Na última quarta-feira, as duas últimas unidades da quinta geração do Viper saíram da linha de produção, encerrando o ciclo de vida de 25 anos do esportivo que tinha a pura receita do sonho americano: um motor gigantesco, V10 de 8,4 litros, capaz de produzir 653 cv de potência e 61 kgfm de torque, e tração traseira.

Dodge Viper ACR

Ralph Gilles, chefe do departamento de design da FCA (proprietária da Dodge), foi até a fábrica da marca em Detroit prestar as últimas homenagens ao modelo, publicando diversas fotos da linha de montagem do Viper em seu instagram pessoal. Gilles também aproveitou a oportunidade para explicar que o tiro de misericórdia ao Viper nos planos da companhia foram as novas regras de segurança automotiva dos Estados Unidos, que obrigam airbags laterais nos carros, algo que, segundo o executivo, não cabia no projeto do esportivo.

Dodge Viper ACR

O fator mercadológico também não ajudou a cobra, já que ele vinha mal das pernas há alguns anos, vendendo bem pouco. Diferentemente de primos como o Challenger, que mesmo com um projeto com mais de 10 anos, ainda é capaz de render bem e, atualmente, tem versões com muito mais potência do que o Viper (vide a Hellcat e a Demon).

Dodge Viper ACR

Se você é fã do Viper, agora vai vê-lo se transformar em item colecionável e, futuramente, bem mais lucrativo do que hoje.