Entre as marcas premium alemãs, a BMW é a única que não oferece um concorrente de peso no segmento dos hot hatches, para brigar com Audi S3 e Mercedes-Benz Classe A, por exemplo. O Série 1, cuja geração F20/F21 atual vai completar sete anos em 2018 e deve aposentar o capô longo (que abriga o motor de seis bocas longitudinal) e ganhar mais espaço interno.

Para voltar ao jogo de vez, a BMW revitalizou o Série 1 com mudanças drásticas que, num primeiro momento, frustram quem é fã da marca. A nova geração do Série 1 será feita sobre a plataforma UKL do grupo alemão, que dá origem aos Mini, ou seja, o hatch da BMW trocará a tração traseira pela dianteira.

A decisão de torná-lo dianteiro é para reduzir custos de produção, mas se levarmos em conta a dinâmica dos modelos desta plataforma, não vamos ter muito do que reclamar. E a boa notícia é que sob o capô da versão M140 (que você vê nas fotos em teste em Nürburgring, na Alemanha), o modelo terá um motor 2.0 turbo de quatro cilindros em linha, transversal, que pode render cerca de 400 cv (o que deixaria o pocket rocket em pé de igualdade com Audi RS3 Sportback, de 400 cv, e Mercedes-AMG A 45, de 381 cv).

Além disso, a BMW promete resolver os problemas de conforto do Série 1 com esta nova plataforma, encurtando o capô para ganhar mais espaço atrás e no bagageiro. A nova geração do hatch será apresentada como modelo 2019 no começo do ano que vem.

Texto Hector Vieira

Fotos http://www.carscoops.com/