Um dos destaques da Jeep no Salão do Automóvel do ano passado, o Wrangler enfim está à venda no Brasil. O jipão raiz está disponível na versão de acabamento Sahara em duas carrocerias, de duas e quatro portas, com preços de R$ 259.990 e R$ 274.990, respectivamente.

Em ambas as configurações o Wrangler vem equipado com o novo motor 2.0 turbo de quatro cilindros em linha e injeção direta de gasolina. A potência é de 270 cv e o torque de 40,8 kgfm supera a força entregue pelo antigo propulsor Pentastar V6. O câmbio é automático de oito marchas e a tração 4×4.

Esse propulsor utiliza turbocompressor twin-scroll (fluxo duplo) de baixa inércia com um válvula waste-gate de atuação eletrônica para resposta e desempenho mais ágeis, mesmo em terrenos difíceis. O turbo é montado diretamente no cabeçote para melhorar a durabilidade. Um circuito de refrigeração dedicado reduz a temperatura do ar de admissão, do corpo do acelerador e do turbo.

Sempre com capota rígida removível e dividida em três partes, o Wrangler conta ainda com o pacote de acabamento Overland para a carroceria de quatro portas, que inclui rodas de 18 polegadas com desenho diferente e capota e capa do estepe na cor do carro.

Para o segundo semestre, a Jeep promete a versão Rubicon, ainda mais apta para o fora de estrada – o preço ainda não foi anunciado. A versão inédita no país, equipada com o mesmo conjunto mecânico da linha Sahara, trará sistema Rock-Trac 4×4 com eixos Dana 44 de última geração e alto desempenho com relação reduzida de 4:1. Os outros recursos exclusivos serão: diferenciais de bloqueio eletrônico Tru-Lok, barra estabilizadora dianteira com desconexão eletrônica, suspensão 5 cm mais alta, pneus lameiros BF Goodrich de 33 polegadas e mais proteção sob a carroceria.

O Wrangler pode ter todo o teto removido ou apenas os dois painéis frontais acima do motorista e passageiro. Segundo a Jeep, as peças estão mais leves e é possível até retirar somente a que fica sobre o condutor. O trabalho que fez o Jeep Wrangler emagrecer cerca de 100 kg, dependendo da versão, também incluiu uma utilização ampla de aço de alta resistência.

Falando em resistência, vale destacar que o novo Wrangler foi testado ao longo de cerca de quatro milhões de quilômetros. Os testes foram conduzidos em condições extremas em diferentes ambientes e climas, desde o calor escaldante do Arizona até o frio do Alasca.

No visual, o modelo 4×4 traz a tradicional grade de sete fendas com estilo atualizado, em homenagem aos Jeep CJ (como o CJ-5 feito no Brasil entre 1957 e 1982). A parte superior da grade foi suavemente inclinada para melhorar a aerodinâmica. São novos também os faróis e as luzes de neblina de led.

Entre os itens de segurança e de comodidade, o Wrangler oferece quatro airbags (dois frontais e dois laterais), controles de tração, de estabilidade e oscilação da carroceria, assistente de partida em rampa, assistente de descida, monitoramento de pontos cegos, coluna de direção ajustável em altura e profundidade, freios a disco nas quatro rodas com ABS, Isofix para fixação de assentos infantis, monitoramento de pressão dos pneus, repetidores de seta nos retrovisores, nivelamento automático dos faróis, câmera traseira com linhas dinâmicas, sensor de ré, chave presencial e partida sem chave.

Bora ver os detalhes da versão Sahara e a configuração Rubicon encarando um desafio offroad? Então aperte o play!