A Mercedes-Benz lançou nesta semana os primeiros modelos da nova linhagem 53 da AMG, que estreiam a eletrificação (em carros de produção) na gama dos esportivos da divisão esportiva da marca. CLS, E Coupe e Cabriolet foram os três escolhidos pela fabricante para lançarem os novos trens-de-força da Mercedes-AMG.

Sem delongas, a novidade dos três modelos é o conjunto de motor 3.0 de seis cilindros em linha, com um turbo e um compressor elétrico, capaz de gerar 441 cv de potência e 53 kgfm de torque, aliado a um motor elétrico (chamado de EQ Boost, que substitui o motor de arranque e o alternador ao mesmo tempo) de 21 cv e 25,5 kgfm de torque. Esse sistema, portanto, é o que os gringos chamam de “mild-hybrid” algo como “meio híbrido”, porque, como você pode perceber, a principal função desse motor elétrico pequeno não é entregar mais desempenho para o carro diretamente, mas sim alimentar o compressor elétrico, sem prejudicar a alimentação de energia do carro.

Pra suportar o compressor elétrico, os carros contam com um sistema de 48 Volts, daí a necessidade de um conjunto “meio-híbrido” com um motor elétrico para garantir o abastecimento de energia do trem-de-força. Para completar o conjunto, os três modelos são equipados com transmissão de câmbio automático de 9 marchas e tração integral 4Matic.

O intuito dessa nova linha 53 da AMG é aliar ainda mais desempenho com eficiência energética. O CLS 53, por exemplo, pode atingir os 100 km/h em 4,5 segundos com 270 km/h de velocidade máxima e ainda obter médias de quase 12 km/l em trajeto combinado de cidade e estrada.