Com tanta novidade de peso rolando em Frankfurt nesta semana (como o Megane R.S., RS4 Avant e Cayenne Turbo que mostramos aqui), a terceira geração do Suzuki Swift quase passa despercebida, mas seria um erro a gente ignorá-lo.

O Swift é um hot hatch compacto bem divertido de guiar. Ele estava sendo vendido aqui na geração passada e agora não sabemos se voltará com esta renovação. De qualquer maneira, ele quebrou uma tradição: saiu o motor 1.6 aspirado que girava pra caramba para entrar um motor menor, mas turbo. Agora ele é equipado com um 1.4 turbo (Boosterjet) de 150 cv (8 cv a mais que antes) e 23,4 kgfm de torque, com injeção direta de combustível.

Suzuki Swift Sport

Além do acréscimo de potência, o verdadeiro pulo do gato do novo Swift é a redução de peso. Ele passou por uma dieta brava pra perder 80 kg e agora pesa 970 kg. Ou seja: são 6,4 kg/cv, nada mau! E esta plataforma nova promete entregar mais rigidez estrutural, o que combinada com a leveza, é uma ótima receita pra pistas.

O novo Swift usa amortecedores Monroe e barras estabilizadoras mais espessas. Todo o conjunto de suspensão e sustentação das rodas (cambagem, alinhamento e cáster) também estão mais firmes (até três vezes mais em relação ao anterior) para garantir melhor resposta do hatch. Ele é calçado com rodas 17” e pneus 195/45.

Suzuki Swift Sport

O chefe de engenharia do Swift Sport, Masao Kobori, resumiu o novo hot hatch assim: “Ele está mais leve, mais preciso e mais rápido”. Visualmente, o carro ficou mais moderno do que o antecessor, que tinha linhas até um tanto infantis. E quanto às tecnologias, ele conta com alerta de colisão frontal, assistente de permanência à faixa e piloto automático adaptativo.