A motorização híbrida enfim dá as caras em um modelo da divisão esportiva da Mercedes-Benz. O CLS 53 se torna o primeiro AMG a contar com o auxílio de um compressor elétrico em seu conjunto mecânico. Em sua terceira geração, o cupê de quatro portas chega ao Brasil por R$ 599.900.

Sob o capô, o CLS 53 AMG traz um motor 3.0 de seis cilindros em linha a gasolina de 435 cv e 53 kgfm, combinado com uma transmissão automática de nove marchas e tração integral. Com o impulsionamento elétrico no virabrequim, 22 cv e 25,5 kgfm extras são jogados para as rodas, fazendo o modelo acelerar de zero a 100 km/h em apenas 4,5 segundos.

Para a Mercedes, no entanto, a tecnologia EQ Boost não faz do CLS 53 um AMG híbrido, pois em nenhum momento o propulsor elétrico movimenta o cupê sozinho. Mas, para a legislação brasileira, ele é sim classificado como híbrido, com direito a isenção do rodízio municipal de veículos em São Paulo e desconto no IPVA.

Um híbrido bastante estiloso, que ganhou um interior todo renovado, tecnologias de condução semiautônomas, rodas de liga leve bem iradas de 20 polegadas e até um lugar extra na cabine. Isso porque na antiga geração o banco traseiro do CLS 53 AMG não comportava um ocupante no meio. #ESTARÁNOSALÃODOAUTOMÓVEL