A Mercedes apresentou nesta semana, durante o Festival de Velocidade de Goodwood, na Inglaterra, as novas gerações do A 45 AMG e do CLA 45 AMG. Eles que já eram conhecidos por utilizarem o motor 2.0 mais potente produzido em série no mundo estão agora ainda mais vitaminados.

O propulsor dois litros turbo de quatro cilindros em linha saltou de 381 cv para 387 cv na versão mais mansa e, na configuração S, alcançou expressivos 421 cv. O torque é de 48,9 kgfm e 50,8 kgfm, respectivamente, e o câmbio sempre de dupla embreagem e oito marchas, com tração integral.

De acordo com a Mercedes, a performance elevada do conjunto foi possível graças ao posicionamento do coletor de admissão na dianteira e do turbo e coletor na traseira, o que permitiu um fluxo mais direto dos gases. A marca também adotou um inovador sistema de injeção direta com dois estágios de operação, além de camisas dos cilindros revestidas com um material que permite um acabamento espelhado.

Os números de desempenho chamam atenção: zero a 100 km/h em 4 segundos para o A 45 AMG e 3,9 segundos para a versão S. No CLA 45 AMG, as marcas são de 4s e 4s1, nesta ordem. A velocidade máxima limitada eletronicamente varia de 250 km/h a 270 km/h, dependendo da configuração.

Como todo AMG que se preze, os novos A 45 e CLA 45 contam com para-choques exclusivos com enormes entradas de ar, grade mais esportiva com 12 filetes verticais, aerofólio, rodas de liga leve de 18 ou 19 polegadas, quatro saídas de escapamento e pinças de freio vermelhas. Na cabine há bancos esportivos, logotipos da AMG, volante de base reta com acabamento de couro, Alcantara e aço escovado, entre outros requintes. Na versão de entrada, há detalhes de acabamento na cor vermelha. Já na S, a cor de destaque é o amarelo.